Passar para o conteúdo principal
2020-01-12  |
18 horas
Bragança - Centro de fotografia Georges Dussaud

Manuel Gardete - Exposição de fotografias e diaporama

Exposição Gardete 1

Expo Gardete 2

CENTRO DE FOTOGRAFIA GEORGES DUSSAUD CENTRO DE FOTOGRAFIA GEORGES DUSSAUD
MORADA
Edifício Paulo Quintela - 1.º Andar
Rua Abílio Beça, N.º 75/77
5300-011 Bragança
CONTACTOS
Tel.: 273 324 092
E-mail: cfgdussaud@cm-braganca.pt
HORÁRIO
Terça a domingo 9h00 - 12h30 / 14h00 - 17h30
ENTRADA
Gratuita
EU e o OUTRO
Máscaras Rituais de Trás-os-Montes e Douro
FOTOGRAFIAS DE MANUEL GARDETE
29 DE NOVEMBRO A 12 DE JANEIRO DE 2020.

Os rituais festivos da máscara ibérica ocorrem
em dois períodos cíclicos invernais:
o solstício de Inverno e o Carnaval. Neste
contexto, os mascarados assumem papéis
diversificados, cada um deles com a sua
simbologia específica; em todo o caso, e
tratando-se de atos sagrados, as máscaras
assumem uma finalidade de culto.
Sob diversas denominações, os mascarados
dinamizam todos estes rituais festivos.
A máscara formalizou-se como adorno imprescindível
às celebrações. Os trajes, os
chocalhos, as varas, os cajados e outros
adereços completam a indumentária; dá-
-se então a metamorfose que eleva simples
mortais ao estatuto de titãs – entidades superiores
que desafiam os deuses ou celebram
rituais sagrados em benefício do povo
a que pertencem.
Na Ibéria antiga, eram ritos de fertilidade,
de expulsão dos males e de iniciação dos
jovens na idade adulta; permaneceram até
hoje, tempo em que a consciência desta
simbologia permite considerar as mascaradas
como elementos identitários dos povos
que as celebram, condição essencial para a
sua classificação como Património Cultural
Imaterial.
António Pinelo Tiza
Academia Ibérica da Máscara

Os caretos e as máscaras, da minha infância e adolescência em Trás-os-
-Montes, permanecem no meu imaginário e na minha memória.
As máscaras e as mascaradas em Trás-os-Montes, estruturando-se em
torno de uma visão dualista do mundo, na luta entre o bem e o mal, na
alternância das estações do ano e dos ciclos agrários, na ordem e na
desordem social, apresentam-se com uma grande intensidade visual e
performativa.
Os caretos, seres mágicos, sagrados e fantásticos encarnam o EU e o
OUTRO com diferentes personagens, no diálogo entre o mundo do profano
e do sagrado, em rituais diferenciados no tempo, do Ano Novo Celta
ao solstício de Inverno, das Festas dos Rapazes aos Reis, do Entrudo à
Quarta-Feira de Cinzas. A máscara aparece como ícone identitário em
Trás-os-Montes e Douro, incorporando identidades e memórias coletivas,
tanto nas festas e rituais no contexto das suas localidades, bem
como em encontros com outros grupos.
A exposição apresenta 36 fotografias representativas, mas não exaustivas,
captadas entre os anos de 2013 e 2018, das máscaras rituais presentes
em quinze localidades de Trás-os-Montes e Douro. Complementarmente
à Exposição e no espaço expositivo, apresenta-se o Diaporama
Máscaras Rituais Ibéricas com a duração de sete minutos.
Manuel Justo Gardete
Setúbal, Novembro de 2019.

 

NOTA BIOGRÁFICA E CURRICULAR
MANUEL JUSTO GARDETE é natural de Bissau. Frequentou o ensino primário em Castelãos,
Macedo de Cavaleiros, o ensino secundário em Bragança e a Faculdade de Medicina em Lisboa.
Pós-graduado em Antropologia Visual na Universidade Nova de Lisboa. Curso de Realização
na Restart. Atualmente estuda fotografia na Ar.Co – Centro de Arte & Comunicação Visual.
Médico e residente em Setúbal.
As viagens, o mar e o património natural e imaterial têm sido fontes de inspiração e pesquisa;
a fotografia e o vídeo a forma de registo, expressão e memória escolhidas.
Participou em diversas exposições individuais e coletivas.
Na área do Documentário, com produção de António Tiza e patrocínio da Academia Ibérica da
Máscara, realizou os seguintes documentários: Shamhaine – Festa da Cabra e do Canhoto,
2015; Fiesta i Dança de ls Palos an Tierra de Miranda, 2016; O Velho e a Galdrapa – A Festa de
Santa Luzia da Silva, 2017; O Entrudo de Santulhão – A Purificação pelo Fogo, 2017; Terras de
Miranda – Rituais, Danças e Tradições.
Atualmente desenvolve projetos audiovisuais na área da fotografia, do documentário e do ensaio
visual.